GESTÃO PRIVADA

PSO volta a atormentar funcionários do Banco do Brasil

PSO volta a atormentar funcionários do Banco do Brasil
quinta-feira, 12/05/2022

Os funcionários do Banco do Brasil voltam a reclamar da PSO (Plataforma de Suporte Operacional), setor que agrega os caixas e a área de tesouraria das agências. As PSOs operam nas cidades com cinco ou mais agências. “Os funcionários das PSOs representam uma parcela significativa dos funcionários do BB e têm demandado os Sindicatos com suas sugestões, críticas e questionamentos quanto à condição de trabalho diária”, afirma João Fukunaga, coordenador da CEBB (Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil).

“Os caixas estão recebendo como meta acabarem com eles mesmos. Eles precisam reduzir cada vez mais o número de autenticações, para isso são orientados a ficarem nas salas de autoatendimento convencendo os clientes e usuários a não utilizarem seus serviços”, relatou Fukunaga.

Rita Mota, diretora do Sindicato dos Bancários do Município do Rio de Janeiro, revela que a loucura não acaba por aí. “O Conexão continua completamente em desconexo com a realidade: esteira digital, resgate de DJO, arquivo zero, suprimento de numerário, compensação até as 9h30, ambiência, abertura de chamados, e, obviamente, as vendas, são algumas das muitas atribuições dos GEMODs. No caso da esteira digital, que é a conferência de documentos de contas abertas pela internet, exige-se como meta 25 contas por funcionário, sim, meta de abertura de contas pela internet”, criticou.

Para ela, a irresponsabilidade com a saúde física e mental dos funcionários é tanta que “não é raro esbarrarmos com Gerentes de Módulo correndo de uma agência para outra quando um deles está de férias, ou seja, um dos delírios no PSO é a onipresença de seus funcionários.”

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE