Diretoria usa eleitos para implantar voto de minerva no Conselho Deliberativo da Cassi

Diretoria usa eleitos para implantar voto de minerva no Conselho Deliberativo da Cassi
sexta-feira, 22/06/2018

Diretores eleitos, aliados ao Banco do Brasil, estão encaminhando ao Conselho Deliberativo da Cassi proposta de mudar a governança para implantar o voto de minerva a favor do banco e criar uma gerência com status de diretoria, que será na prática mais uma representação do patrocinador. Com isso, o banco passa a controlar as decisões do Conselho e da Diretoria e poderá aprovar tudo o que for de seu interesse, à revelia dos associados e associadas.

 
A proposta não foi aprovada na Diretoria da caixa de assistência e foi encaminhada ao Conselho Deliberativo atropelando todas as normas regimentais e estatutárias. Com um procedimento que não foi adotado nem pela ditadura militar, o banco pretende rasgar o estatuto da Cassi e destituir o Corpo Social de seu poder soberano de aprovar ou rejeitar alterações estatutárias.


Ao mesmo tempo, os indicados pelo banco querem aprovar a toque de caixa aumento na coparticipação em consultas e exames, entre quatro paredes e à revelia dos associados. Resta saber se os recém-eleitos para a Cassi vão colaborar com o banco para tirar mais dinheiro dos associados. Os prepostos que querem onerar os associados sempre foram gastões: as duas diretorias indicadas pelo banco têm nove gerências para cuidar de TI e assuntos internos, enquanto as duas diretorias eleitas têm cinco gerências para cuidar da atividade-fim, a saúde dos funcionários.


Fica cada vez mais explícito porque o BB foge da mesa de negociação. A Comissão de Empresa e as entidades representativas nunca aceitariam propostas desse tipo. Com essas iniciativas, o banco quer atropelar os associados e aplainar o caminho para reduzir as contribuições patronais, implantar cobrança por dependentes, excluir os futuros aposentados da Cassi e aumentar as contribuições.


Faraco colabora com o banco

O presidente do Conselho Deliberativo. Sérgio Faraco, eleito pelos associados, tem colaborado com o banco. Ele convocou reunião extraordinária de caráter informativo, esperou a saída de uma das conselheiras para colocar em votação assuntos de interesse do banco, como a constituição de grupo para elaborar a proposta que agora está sendo encaminhada ao Conselho. Com atitudes como esta Faraco vai facilitando a vida do banco.


Congelamento salarial e gastança na Cassi

Na quinta-feira (21/06), os funcionários e funcionárias da Cassi trabalharam de preto, em protesto contra a decisão da Presidência de congelar seus salários e benefícios, acabar com substituições e implantar a lateralidade.

Ao mesmo tempo, o banco quer criar uma nova gerência com status de diretoria, pelo menos mais oito cargos de gerentes executivos e gerentes de divisão. Impõem sacrifícios aos associados e aos funcionários que têm remuneração inferior ao mercado e criam altos cargos para gastar dinheiro com uns poucos.

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE