Mesmo com lucros nas alturas, bancos fecham 2.445 postos de trabalho em 2018

Mesmo com lucros nas alturas, bancos fecham 2.445 postos de trabalho em 2018
sexta-feira, 24/08/2018

Os bancos fecharam 2.445 postos de trabalho no País entre janeiro e julho de 2018, de acordo análise feita pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) com base nos dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Pesquisa do setor é divulgada mensalmente pela Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro).

O maior saldo negativo no emprego bancário no período analisado foi registrado em São Paulo. O Estado é responsável por 57,3% das admissões e 62% de desligamentos. São 780 postos de trabalho a menos para os bancários paulistas.

Segundo apontou a pesquisa, Rio de Janeiro e Paraná veem logo em seguida, com 746 e 322 postos fechados, respectivamente. Entre os poucos Estados onde houve mais contratações do que demissões, o Pará é que teve o maior saldo positivo (94 postos a mais).

 

Esta é uma realidade que se repete. A análise do Dieese aponta que, desde janeiro de 2016, o saldo mensal do emprego nos bancos foi positivo apenas em cinco meses (janeiro de 2016, julho e novembro de 2017, janeiro de 2018 e julho de 2018), ficando negativo em todos os demais meses.

 

A análise por Setor de Atividade Econômica revela que os “Bancos múltiplos com carteira comercial”, categoria que engloba bancos como, Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Banco do Brasil, foram responsáveis pelo fechamento de 1.523 postos, entre janeiro e julho de 2018. No caso da Caixa, devido, em grande parte, ao “Programa de Desligamento de Empregados”, lançado em 22 de fevereiro, o fechamento foi de 1.021 postos no período.

Faixa Etária

Os bancos continuam concentrando suas contratações nas faixas etárias até 29 anos, em especial entre 18 e 24 anos. Foram criadas 6.221 vagas para trabalhadores até 29 anos. Acima de 30 anos, todas as faixas apresentaram saldo negativo (ao todo, -8.666 postos), com destaque para a faixa de 50 a 64 anos, com fechamento de 4.322 postos no período.

Desigualdade entre Homens e Mulheres

As 8.005 mulheres admitidas nos bancos nos primeiros sete meses de 2018 receberam, em média, R$ 3.506,00. Esse valor corresponde a 71,5% da remuneração média auferida pelos 8.707 homens contratados no período. Constata-se a diferença de remuneração entre homens e mulheres também nos desligamentos. As 9.515 mulheres desligadas dos bancos recebiam, em média, R$ 5.556,00, o que representou 74,2% da remuneração média dos 9.642 homens desligados dos bancos.

Primeiros reflexos da reforma trabalhista nos dados do Caged

As demissões sem justa causa representaram 55,2% do total de desligamentos no setor bancário, entre janeiro e julho de 2018. As saídas a pedido do trabalhador representaram 36,8% dos tipos de desligamento.

Nesse período foram registrados, ainda, 50 casos de demissão por acordo entre empregado e empregador. Essa modalidade de demissão foi criada com a aprovação da Lei 13.467/2017, a reforma trabalhista, em vigência desde novembro de 2017.

Os empregados que saíram do emprego nessa modalidade apresentaram remuneração média de R$ 8.827,74.

Clique aqui para ler a íntegra da análise do Dieese.

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE