Sindicatos cutistas protestam no Dia Nacional de Luta contra mudanças na CLT

Dirigentes sindicais e lideranças populares participaram do protesto de hoje (10/11), em Apucarana,  contra as reforma Dirigentes sindicais e lideranças populares participaram do protesto de hoje (10/11), em Apucarana, contra as reforma
sexta-feira, 10/11/2017

Durante a atividade também foram recolhidas assinaturas da população pela anulação da reforma trabalhista

O Dia Nacional de Luta convocado pela CUT, demais Centrais e os Movimentos Frente Brasil Popular e Brasil Sem Medo levou o Sindicato de Apucarana, em conjunto com outras entidades sindicais e do movimento social a realizar nesta sexta-feira (10/11), manifestação contra a reforma trabalhista que entrará em vigor no sábado (11).

A atividade foi realizada em frente à agência 0047 do Bradesco e durante o protesto foi distribuído material à população apontando as mudanças em mais de 100 artigos da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), jogando por terra muitas conquistas conseguidas nos últimos tempos.

“Essa reforma foi encomendada pelas entidades de representações das grandes empresas do País com a intenção de institucionalizar o bico. Trabalho intermitente, fracionamento em até três vezes das férias, negociação direta entre patrão e empregado sem intermediação do Sindicato, trabalho de mulheres grávidas em locais insalubres são apenas de algumas aberrações aprovadas pelo Congresso Nacional a pedido do governo Temer”, destaca Maria Salomé Fujii, presidenta do Sindicato de Apucarana.

Segundo Salomé, as os sindicalistas e líderes populares também recolheram apoios da população ao abaixo-assinado que será transformado em Projeto de Lei de Iniciativa Popular para anular a reforma trabalhista de Michel Temer.

Por Armando Duarte Jr. 

COMPARTILHE