Brasil ocupa a segunda pior posição em ranking da OCDE sobre mobilidade social

Brasil ocupa a segunda pior posição em ranking da OCDE sobre mobilidade social
terça-feira, 19/06/2018

Estudo sobre Mobilidade Social recém divulgado pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) revelou que as famílias pobres brasileiras levariam nove gerações para alcançar a renda média do País, posicionando o Brasil na segunda pior posição em comparação a outras 29 nações analisadas.

De acordo com o levantamento, mais de um terço daqueles que nascem entre os 20% mais pobres permanece na base da pirâmide, somente 7% chegam ao segmento dos 20% mais ricos.

O diretor técnico do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), Clemente Ganz Lúcio, afirmou em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual, que o baixo índice de mobilidade é alimentado, entre outros fatores, pela baixa qualidade da educação brasileira e por conta da estrutura tributária regressiva.

"A mobilidade no Brasil é impedida fundamentalmente por que, de um lado, a gente tem uma estrutura econômica muito desigual, portanto com uma distância muito longa (entre um segmento e outro). E, por outro lado, uma educação que não consegue ofertar uma participação com qualidade para os jovens, e uma estrutura tributária que retira a renda dos pobres e permite que os mais ricos reproduzam sua condição socioeconômica", ponderou Clemente.

Ouça a entrevista do técnico do Dieese concedida para a Rádio Brasil Atual:

Fonte: Rede Brasil Atual

COMPARTILHE