PTB desiste de Cristiane Brasil para Ministério do Trabalho

Cristiane, acompanhada do pai, durante votação do afastamento de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados Cristiane, acompanhada do pai, durante votação do afastamento de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados
quarta-feira, 21/02/2018

O presidente do PTB e deputado federal Roberto Jefferson anunciou na terça-feira (20/02) que o partido "declina" da indicação da deputada Cristiane Brasil (RJ), sua filha, para ocupar o Ministério do Trabalho.

Cristiane foi nomeada no início de janeiro por Michel Temer (MDB), mas não conseguiu tomar posse por força de liminares de entidade que não concordavam com seu nome para o cargo por ter sido condenada na Justiça do Trabalho pela falta de registro em carteira de um motorista de sua família e não pagamento de horas extras, além de ter feito acordo com outro trabalhador que reclamou seus direitos.

Segundo Jefferson, a desistência se deve à "indecisão" da presidenta do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia, de julgar o mérito do caso. Ela havia decidido que a decisão caberia ao STF, cassando decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que autorizava a posse de sua filha. 

"A decisão do partido visa proteger a integridade de Cristiane e não deixar parada a administração do ministério", acrescentou o presidente do PTB. Ele agradeceu a Temer e companheiro de partido "pelo apoio e respeito com Cristiane Brasil durante esse período de caça às bruxas".

A deputada e "quase ministra" também lamentou não ter sido possível esperar por uma decisão do STF. "Não pude assim, infelizmente, saber a decisão do STF a respeito de uma prerrogativa exclusiva do Presidente da República garantida pela nossa Constituição", afirmou em nota. "Sigo agora pronta para restabelecer e esclarecer todas as questões que foram levantadas a meu respeito, sem que eu tivesse direito ao devido contraditório, com a mesma amplitude, virulência e machismo com que muitas vezes fui atacada."

O cargo de ministro do Trabalho está vago há quase dois meses, desde 27 de dezembro, quando Ronaldo Nogueira (PTB-RS) pediu exoneração logo após ter divulgado números rebaixados da geração de empregos no País e assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados.

Cristiane foi nomeada por Temer em 3 de janeiro, mas agora terá de ser "desnomeada". Até aqui, o Ministério do Trabalho tem o secretário-executivo, Helton Yomura, como interino. Ele pode ser efetivado, mas há resistência dentro do próprio partido.

Fonte: Rede Brasil Atual

COMPARTILHE