OPERAÇÃO DESMONTE

Pacote de privatizações inclui nove estatais, incluindo a Lotex

O anúncio do pacote de privatizações foi feito em uma entrevista coletiva com membros do governo federal O anúncio do pacote de privatizações foi feito em uma entrevista coletiva com membros do governo federal
quinta-feira, 22/08/2019

O governo federal anunciou, na quarta-feira (21/08), o pacote de privatizações com nove estatais. O número de empresas foi menor do que as 17 listadas no dia anterior pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Participaram da coletiva o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, o secretário de Desestatização, Salim Mattar, e a secretária especial do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), Martha Seillier.

Para chegar ao número de 17, o governo citou a Lotex (Loteria Instantânea Exclusiva), que já passou por duas tentativas frustradas de leilão, a venda de ações do Banco do Brasil detidas pela União e seis estatais que já estavam no PPI. Ao tentar explicar as informações trocadas, o secretário especial de Desestatizações, Salim Matar, disse que houve “equívoco de informação” e que, na realidade, as 17 ofertas se referiam ao que está no “pipeline” do governo.

Também na quarta-feira, o secretário da SECAP-ME (Secretaria Nacional de Avaliação de Políticas Públicas, Planejamento, Energia e Loteria do Ministério da Economia), Alexandre Manoel Angelo da Silva participou de reunião governamental no Tribunal de Contas da União para tratar da concessão da Lotex.

Em entrevista à Reuters, o secretário informou que o novo edital será divulgado ainda esse mês, provavelmente no dia 26, com o certame previsto para outubro. Segundo ele, foram feitas adaptações no edital para tornar o leilão mais atraente para investidores.

"Sobre Lotex, está sendo remodelada e quem vai precificar é o mercado. Preço quem faz é o mercado. Deixa que o mercado coloque o preço justo ou de mercado", disse Mattar. 

As nove empresas anunciadas pelo governo são:

- Telebras (Telecomunicações Brasileiras S/A)

- Correios (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos)

- Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo)

- Dataprev (Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social)

- Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados)

- Emgea (Empresa Gestora de Ativos)

- Ceitec (Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada)

- Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo)

 - AFGF (Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias)

A viabilidade ainda depende do aval do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). De acordo com Mattar, o processo é “lento e gradual”. “Nesse momento não dá para falar sobre prazos. O Correios vai gastar muito tempo, já a ABGF pode ser coisa de quatro ou seis meses, varia muito”, explicou.  Freitas afirmou, no entanto, que o cronograma está “andando conforme o planejado”.

Correios

O presidente Jair Bolsonaro disse, mais cedo, na quarta-feira (21/08), que o pacote de privatizações anunciado pelo ministro da Economia vai começar pelos Correios. Ele lembrou, no entanto, que o processo deve demorar para acontecer, já que precisa do aval do Congresso Nacional.

“As empresas que vem aí só para completar o ano, no ano que vem tem mais”, declarou. “Nós vamos seguir (com as privatizações), é um tempo bom, vai dando certo. Achamos que quatro anos é um tempo bom, faltam três anos e meio, dá tempo ainda”, disse.

Fonte: Fenae, com informações do TCU, Jovem Pan e Estadão Conteúdo

COMPARTILHE