DUAS CARAS

Presidente da Caixa é incoerente ao falar sobre Projeto Remoto

Pedro Guimarães muda discurso em relação ao trabalho remoto Pedro Guimarães muda discurso em relação ao trabalho remoto
quinta-feira, 25/06/2020

A Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) denuncia a incoerência do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, sobre o Projeto Remoto. Ao mesmo tempo em que ele afirma na grande mídia que vai expandir o programa de teletrabalho depois que o período de pandemia for superado no Brasil, como na entrevista de quarta-feira (24/06) para a CNN Brasil, convoca para o trabalho presencial empregados de diversas áreas-meio e matrizes, como tem feito desde a semana passada.

“Esse presidente não tem razoabilidade, primeiro fala que estar de home office devido a pandemia é frescura. Agora voltou a fazer papel de bonzinho dizendo que está ouvindo os clamores dos empregados e que o home office dá mais qualidade de vida (o que nem sempre é uma verdade), e paralelo a isso convoca empregados paro a trabalho presencial, sem necessidade já que estão produzindo em casa, para expô-los à riscos de saúde desnecessariamente. Queremos que cuide dos empregados agora!”, ressaltou Fabiana Uehara Proscholdt, coordenadora do GT (Grupo de Trabalho) de Saúde, membra do Conselho de Usuários e secretária da Cultura e representante da Contraf-CUT nas negociações com o banco.

Projeto Remoto

O Projeto Remoto é uma modalidade de Trabalho Remoto Simplificado. Foi lançando em março, por conta da pandemia do coronavírus (Covid-19) e tinha o prazo de 30 dias. A prorrogação do projeto ocorre de acordo com a necessidade do banco. Atualmente, o prazo vai até 30 de junho.

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE