Sindicato de Cornélio Procópio recolhe assinaturas para anular a reforma

O Sindicato foi para o Calçadão recolher apoios da população no documento que propõe a anulação da reforma O Sindicato foi para o Calçadão recolher apoios da população no documento que propõe a anulação da reforma
terça-feira, 24/10/2017

Materiais informativos apontam os riscos
que a nova legislação trará para a Classe Trabalhadora

Dando continuidade à mobilização lançada pela CUT no dia 7 de setembro em defesa dos direitos da Classe Trabalhadora, a diretoria do Sindicato de Cornélio Procópio foi para o Calçadão da cidade nesta terça-feira (24/10) recolher assinaturas da população no documento a ser transformado em Projeto de Lei de Iniciativa Popular propondo a anulação da reforma trabalhista.

O Sindicato levou para esta atividade materiais com informações sobre as ameaças que a nova legislação apresenta para importantes conquistas obtidas por trabalhadoras e trabalhadores de diversas categorias profissionais, como a ampliação da jornada de trabalho, parcelamento de férias, negociação individual entre patrão e empregado, dentre muito outros.

“Precisamos colher o maior número de assinaturas possível neste documento para que seja apresentado como Projeto de Iniciativa Popular para barrar essa reforma encomendada por empresários. As mudanças na legislação não trazem nada de moderno, pelo contrário, liberam a terceirização em todas as atividades, precarizam direitos, as condições de saúde e segurança e o próprio emprego formal no País”, aponta Divonzir Lemos Carneiro, diretor do Sindicato de Cornélio Procópio.

A CUT espera reunir mais de 1,3 milhão de assinaturas no documento que pede a anulação da reforma trabalhista a ser entregue no mês de novembro do Congresso Nacional.

Por Armando Duarte Jr.

COMPARTILHE