Financiários decidem os rumos da negociação na 2ª Conferência Nacional da categoria

Financiários decidem os rumos da negociação na 2ª Conferência Nacional da categoria
sábado, 03/06/2017

A última mesa da 2ª Conferência Nacional dos Financiários aconteceu neste sábado (3), na sede da Contraf-CUT, em São Paulo. O encontro discutiu as reivindicações apresentadas pelos Financiários e definiu as cláusulas prioritárias a serem encaminhadas para as financeiras.

Os financiários levantaram a importância dos sindicatos atualizarem os seus estatutos. Ficou decidido que a Contraf-CUT irá encaminhar a proposta para o relatório e dará o seu parecer jurídico, se necessário. “Cada sindicato tem autonomia de fazer a reforma estatuária”, explicou Jair Alves, coordenador das financeiras.

A necessidade de mapear as financeiras também foi ressaltada. “Vamos, junto com o Dieese, levantar informações sobre todos os financiários, saber como estão e suas características, e fazer um estudo com o perfil de cada um, assim como foi feito com os bancários, para apresentar na próxima conferência”, afirmou Jair.

Também serão colocadas no relatório a divulgação das informações para os financiários via intranet, uma vez que não se usa mais quadro de avisos nas empresas, e a criação de um jornal específico para os financiários.

Durante o encontro foram reivindicados o artigo 27, que mantém o auxílio educacional para os trabalhadores; e o parcelamento do gozo de férias e artigo 58, que dá garantia de qualificação e requalificação profissional, que serão considerados como cláusulas prioritárias.

No caso de demissão, os participantes defenderam o envio de uma carta pelo empregador com a justificativa do desligamento do trabalhador.  “Vamos colocar na minuta, como clausula prioritária, a apresentação da carta com os motivos incentivados da demissão”, disse Katlin Salles, diretora do Sindicato dos Bancários de Curitiba.

Ao final do evento, Katlin afirmou que todas as propostas serão encaminhadas para as federações. “Vamos encaminhar todos os apontamentos, novas estratégias e alterações da minuta e em duas semanas encaminharemos para as federações o que tiramos daqui. ”  Para Jair Alves, a criação do grupo é fundamental para dar prioridade nas ações. “Foi importante montar esse grupo de financiários e vamos tentar fortalecer para que possamos ter cada vez mais informações”, finalizou.

Fonte: Contraf-CUT

LM

COMPARTILHE