Painéis discutem ações para melhorar emprego e organização do segmento

Organização da categoria e emprego foram temas abordados nos dois painéis realizados ontem (2/06) na 2ª Conferência Nacional dos Financiários - Foto: Jailton Garcia Organização da categoria e emprego foram temas abordados nos dois painéis realizados ontem (2/06) na 2ª Conferência Nacional dos Financiários - Foto: Jailton Garcia
sábado, 03/06/2017

Nos painéis realizados ontem (2/06), na 2ª Conferência Nacional dos Financiários que está ocorrendo em São Paulo, foram discutidas e definidas estratégicas para organizar este segmento do ramo financeiro, combater a terceirização e melhorar as condições de emprego no setor.

No debate acerca da organização foi ressaltada a importância de defender a categoria e o Sindicato. “Para isso, foi proposto fazer um levantamento para identificar quem são os financiários, se atuam como terceirizados e quais são os benefício que eles recebem “, relata Lupinha Moretto, diretor do Sindicato de Londrina, que está participando do Congresso dos Financiários em São Paulo.

De acordo com ele, outra necessidade apontada no evento é saber se todos os Sindicatos de Bancários do País têm Estatuto contemplando a representação dos trabalhadores financiários.

“Este encaminhamento é fundamental para que possamos conquistar a unificação da categoria e celebrar com as empresas uma Convenção Coletiva de abrangência nacional”, avalia Lupinha.

Em relação ao emprego e condições de trabalho, tema do segundo painel da Conferência Nacional, foram discutidas ações para combater a terceirização no setor e os efeitos que a reforma das leis trabalhista poderá causar no setor.

Foram destacadas nos debates as reestruturações que estão ocorrendo nos bancos, nas quais bancários são transferidos para as holdings, mas continuam no ramo financeiro, muitas vezes sem representação sindical.

“Ficou claro com estas discussões que estamos passando por um momento difícil e, por isso, a mobilização dos financiários se torna fundamental para atravessar esse período de incertezas”, avalia Lupinha Moretto.

No final do segundo painel foram destacadas as principais reivindicações da Campanha Salarial 2017 da categoria, que são a unificação da data base no mês de setembro, junto com os bancários, parcelamento de férias, CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes), eleição para delegado sindical, dentre outras.

Por Armando Duarte Jr.
Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE