Jornal desta semana alerta sobre riscos da nova lei trabalhista

Jornal desta semana alerta sobre riscos da nova lei trabalhista
terça-feira, 21/11/2017

A entrada em vigor, no dia 11 de novembro, da Lei 13.467, aprovada pelo Congresso Nacional em julho deste ano, alterando mais de 100 artigos da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), é analisada na matéria de Capa da edição nº 1.461 do Vida Bancária.

O jornal denuncia que essa “reforma” foi elaborada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) e tramitou em regime de toque de caixa tanto na Câmara dos Deputados, quanto no Senado, que sequer alterou qualquer ponto para não atrasar sua aprovação, demonstrando a força do lobby das empresas que agiu nos bastidores desse processo.

De acordo com o Vida, são muitas as incertezas em relação à aplicação da nova legislação trabalhista pelas empresas, bem como pela Justiça do Trabalho, pois muitos de seus pontos são considerados inconstitucionais por muitos juristas.

Para Regiane Portieri, presidenta do Sindicato de Londrina, é preciso haver diálogo entre patrões e os trabalhadores para impedir um massacre a importantes conquistas obtidas ao longo do tempo com muitas lutas. “O Comando Nacional dos Bancários está aguardando resposta da Fenaban em relação ao Termo de Compromisso no qual propõe a não aplicação da reforma nos direitos atuais da categoria. Algumas negociações realizadas no País nos últimos dias já garantem isso e acreditamos que este é o caminho para evitar uma avalanche de conflitos de agora em diante se a reforma for colocada em prática a ferro e fogo”, avalia.

Sindicatos levantam demandas com Regional do BB

O destaque na pág. 2 é a reunião dos Sindicatos de Apucarana, Cornélio Procópio e de Londrina com a Superintendência Regional do Banco do Brasil, ocorrida no dia 13/11, para discutir as demandas das unidades.

Dentre outros problemas, foram cobradas respostas para a demora na conclusão de reformas das agências sinistradas e reposição das vagas dos funcionários e funcionárias que saíram por meio do Peai (Programa de Aposentadoria Incentivada).

Veja também nas páginas centrais relatos sobre as atividades dos Sindicatos do Vida Bancária para denunciar o desmonte dos bancos públicos encaminhado pelo governo de Michel Temer (PMDB).

Em Londrina, dirigentes do Sindicato recolheram apoios da população no abaixo-assinado que exige o fim do fechamento de agências do Banco do Brasil, valorização dos funcionários e suspensão da política de desmonte. Em Cornélio Procópio houve panfletagem e reuniões nas agências.

Elizeu Marcos Galvão, presidente do Sindicato de Cornélio Procópio, afirma que ao adotar essa política de demonstre o governo Temer abriu mão de mais de R$ 1 trilhão.

“Os vendilhões do patrimônio público e os patrocinadores do golpe têm que ser banidos da política brasileira. Temos que dar o troco a eles no ano que vem nas urnas, lembrando-se daqueles que ficaram do lado do patronato e, também, dos que defenderam o trabalhador e as empresas públicas”, orienta Elizeu.

Veja também como foi a participação de dirigentes dos Sindicatos de Apucarana, Cornélio Procópio e de Londrina nas atividades contra a reforma trabalhista.

Caixa foge do diálogo e revoga RH 151

Outra importante informação do Vida Bancária trata da atitude desrespeitosa tomada pela diretoria da Caixa Econômica Federal ao revogar o RH 151 no dia 10/11, véspera da entrada em vigor da reforma trabalhista.

Este normativo dispunha sobre a incorporação de função e sem ele está em risco a estabilidade no emprego no banco. Essa medida foi tomada em meio às negociações permanentes. “A nossa resposta para essa política adotada pela diretoria da Caixa tem que ser dada com a ampliação da mobilização para exigir não somente a manutenção dos direitos, mas também o papel social do banco público e impedir a sua privatização”, ressalta Amaury Soares, diretor do Sindicato de Londrina.

Ainda em relação à Caixa, leia sobre protesto realizado pelo Sindicato de Cornélio Procópio no dia 17/11 contra a falta de pessoal na principal agência do banco na base territorial da entidade. Com número reduzido de empregados, o atendimento é demorado e o número de clientes e usuários dificulta até mesmo andar pela agência, denuncia o Sindicato.

Aumento do assédio no Itaú gera protesto em Londrina

Na pág. 3, o Vida relata o protesto realizado no último dia 13/11 pela diretoria do Sindicato de Londrina na agência do Itaú, localizada no Calçadão, que abriga a Regional do banco.

O objetivo da manifestação foi cobrar do banco respostas para o aumento dos casos de assédio moral nas agências. Segundo Cesar Caldana, diretor do Sindicato de Londrina, nunca ouve tantas denúncias dessa prática contra um só gestor ou gestora.

Saúde em debate na Cassi

Com o objetivo de melhorar o atendimento aos dependentes, funcionários e funcionárias do Banco do Brasil, a Cassi Londrina promoveu no dia 8/11 a Pre-Conferência de Saúde para levantar propostas a serem encaminhadas ao evento estadual.

Estiveram presentes, além dos usuários, os funcionários da unidade, prestadores de serviços e o diretor de Saúde e de Rede de Atendimento da Cassi, William Mendes, que em sua passagem pela cidade se reuniu com a diretoria do Sindicato de Londrina. Leia mais na pág. 4.

Na mesma página o Vida Bancária faz um informe sobre a Jornada Continental pela Democracia e contra o Neoliberalismo, realizada entre os dias 16 e 18/11, em Montevidéu, com a participação de representantes de 23 países da América Latina e Caribe.

O jornal tem ainda nota sobre o convênio celebrado entre o Sindicato de Cornélio Procópio e a Mocassim Calçados, que garante desconto de 20% aos filiados da entidade.

No rodapé da pág. 4, o Vida divulga a abertura das inscrições de novas turmas dos cursos preparatórios para provas de certificação em CPA-10 e CPA-20 da Anbima (Associação Brasileira dos Mercados de Capital e Financeiro. Clique aqui para saber mais.

Por Armando Duarte Jr.

COMPARTILHE