Demissões nos bancos é tema de Capa do Vida Bancária desta semana

Demissões nos bancos é tema de Capa do Vida Bancária desta semana
quarta-feira, 04/10/2017

A matéria de Capa da edição desta semana do Vida Bancária impresso aborda o massacre que os bancos fizeram no emprego da categoria entre janeiro e agosto deste ano, quando foram fechados 14.460 postos de trabalho no setor financeiro.

A análise feita pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), com base em dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) revela que nestes oito meses que 29.872 bancários e bancárias em todo o País perderam seus empregos, seja pela rotatividade ou pelos planos de demissão voluntária e aposentadoria incentivada. Apesar disso, no mês de agosto foi registrado um saldo positivo de 72 novos empregos no entra e sai dos bancos.

Com forme divulgou o Vida, a discriminação das mulheres continua em alta e na hora de dispensar os bancos escolhem, preferencialmente, pessoal com mais tempo de serviço e na faixa etária compreendida entre 50 e 64 anos de idade.

“Esperamos reverter esse cenário sombrio com a criação dos Centros de Realocação e Requalificação Profissional e outras medidas que possam conter esse massacre aos empregos da categoria. Não dá para admitir que o setor com maior lucratividade do País continue demitindo milhares de trabalhadores e trabalhadoras tão somente para ampliar ainda mais seus ganhos”, critica Regiane Portieri, presidenta do Sindicato de Londrina.

Qualificação na Caixa

Leia nas páginas centrais sobre a parceria firmada entre o Sindicato de Londrina, a Apcef (Associação do Pessoal da Caixa Econômica Federal) e a Fenae (Federação Nacional das Apcefs), que viabilizou a formação de uma turma de gerentes do banco do curso preparatório para certificação em CPA 20 da Anbima (Associação Brasileira dos Mercados Financeiro e de Capitais).

Estão participando do curso 50 empregados e empregadas da Caixa lotados na base territorial de Londrina e as aulas ocorrem no Auditório da entidade.

Outra matéria sobre a Caixa informa sobre a reunião entre a Fenae e a Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar), realizada no dia 29 de setembro, em Brasília, na qual foi levantada a preocupação junto ao órgão em relação ao contencioso trabalhista da Caixa e a Funcef, o fundo de pensão dos empregados.

Leia também sobre o lucro líquido da Caixa no primeiro semestre de 2017, que atingiu R$ 4,1 bilhões, com crescimento de 69,2% em comparação ao valor apurado no mesmo período do ano passado.

Reunião com o BB

Na pág. 2, o jornal traz relato a respeito da reunião realizada entre a Comissão de Empresa dos funcionários e representantes do Banco do Brasil. Na ocasião foi apresentada aos dirigentes sindicais a estrutura da UNV (Unidade integração Varejo), que será implantada inicialmente em algumas cidades, alterando a atual forma do atendimento aos clientes.

Durante a reunião, a Comissão também cobrou do banco resposta sobre o Termo de Compromisso que garante a manutenção dos atuais direitos dos funcionários assim que entrar em vigor a nova legislação trabalhista.

Ainda com relação ao BB, o Vida relata a vitória da Contraf-CUT e outras entidades representativas que conseguiram, por meio de ação ajuizada junto à Justiça do Trabalho, em Brasília, garantir o pagamento das gratificações/comissões suspensas pelo banco com a reestruturação lançada no final de 2016.

Ataque à soberania nacional

 Confira também nas páginas centrais informe sobre o leilão feito pelo governo Michel Temer (PMDB), no dia 27/09, em São Paulo, para vender o controle de quatro usinas hidrelétricas da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais).

As unidades de Jaguara e Miranda foram adquiridas pela Engie Brasil, de capital francês, a Volta Grande foi comprada pela italiana Enel, que recentemente também comprou a Celg. A usina São Simão foi adquirida pela empresa chinesa State Power.  O leilão está sendo questionado por parlamentares, que apresentaram projetos de lei na Câmara e no Senado a forma como se deu a venda das usinas.

Na pág. 3, o Vida publica matéria sobre a condenação sofrida pelo Santander em ação de uma funcionária que ingressou na Justiça do Trabalho contra o banco por ter sofrido pressões para atingir metas.

O juiz Igor Cardoso Garcia, do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) de São Paulo, determinou que o banco pague indenização de R$ 200 mil à ex-bancária e na sentença argumentou que esta punição é uma forma de desestimular a prática de cobranças excessivas e de incentivar a instituição a cuidar da saúde de seus empregados.

Desafios em debate

A matéria em destaque na pág. 4 faz um resumo do 1º Seminário Jurídico Nacional da Contraf-CUT, realizado nos dias 28 e 29/09, em São Paulo, quando foram debatidos os desafios da categoria frente à reforma trabalhista.

Juízes, procuradores e desembargadores participaram como palestrantes defenderam a necessidade de se construir a resistência ao retrocesso que representa a reforma da legislação trabalhista. Foi avaliado ainda que os Sindicatos precisam ser repensados na forma de atuar para conquistar avanços diante da conjuntura atual.

Uma nota sobre a reunião da Comissão Bipartite de Segurança Bancária, realizada dia 27/09, em São Paulo, informa que a categoria avançou em relação à proteção de vítimas de extorsão mediante sequestro, que poderão ter direitos ampliados.

Outubro Rosa

A Campanha “Outubro Rosa” é tema da Coluna “Espaço para a Saúde” desta edição. O jornal orienta bancárias a fazerem o autoexame e, também, a mamografia para verificar a existência de nódulos nos seios, lembrando que o diagnóstico precoce desta doença é fundamental para conseguir a cura.

Mulheres com idade acima dos 40 anos de idade devem fazer a prevenção do câncer de mama anualmente.

Por Armando Duarte Jr.

COMPARTILHE