Comissão Bipartite defende alteração na Cláusula 33-C da CCT

Representantes da categoria e dos bancos apresentarão proposta de alteração na CCT para ampliar proteção de bancários vítimas de extorsão Representantes da categoria e dos bancos apresentarão proposta de alteração na CCT para ampliar proteção de bancários vítimas de extorsão
quarta-feira, 27/09/2017

A quarta reunião da Comissão Bipartite de Segurança Bancária, realizada ontem (26/09), em São Paulo, terminou com uma vitória para os trabalhadores. A Comissão vai encaminhar à Comissão de Negociações da Fenaban a recomendação para alterar a redação do item C da cláusula 33ª da CCT (Convenção Coletiva de Trabalho). A mudança amplia para os bancários e bancárias vítimas de extorsão mediante sequestro a mesma proteção garantida aos bancários vítimas de sequestro consumado, ou seja, a possibilidade de realocação dos trabalhadores para outra agência ou posto de atendimento bancário.

Agora, a negociação sobre a Cláusula irá continuar entre o Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban. “É uma grande vitória para a segurança do trabalhador. Durante todo ano reivindicamos aos bancos essa alteração no texto”, disse Gustavo Tabatinga, secretário de Políticas Sindicais da Contraf-CUT.

Os representantes dos trabalhadores alertaram para a retirada do vigilante quando as agências passam por obras devido a arrombamentos em assaltos. “Os bancários permanecem trabalhando no local, apesar delas estarem funcionando sem numerário, e sofrem pressão da população que está descontente com a falta de atendimento completo no local. Reivindicamos condições mínimas de trabalho e segurança”, explicou Jairo França, diretor da Fetrafi/NE. Os representantes dos bancos ficaram de levar a reivindicação à Comissão de Segurança da Fenaban.

A próxima reunião da Comissão Bipartite de Segurança Bancária está marcada para 13 de novembro.

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE