NEGOCIAÇÃO PERMANENTE

Após cobrança da Contraf-CUT, Itaú esclarece dúvidas sobre o GERA

Após cobrança da Contraf-CUT, Itaú esclarece dúvidas sobre o GERA
quarta-feira, 19/05/2021

A COE (Comissão de Organização dos Empregados) do Itaú se reuniu com a direção do banco, na terça-feira (18/05), para voltar a debater a implantação do programa de remuneração variável “GERA”. No dia 7 de maio, a Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) enviou um ofício com uma série de questionamentos sobre o programa.

“Nosso objetivo é sanar todas as dúvidas e transformar esse programa o mais justo possível para os trabalhadores”, afirmou Jair Alves, coordenador da COE Itaú. “Vamos analisar todas as informações passadas e novos questionamentos devem surgir. O importante é deixarmos o canal aberto para enviá-los e marcarmos uma nova data para tratar exclusivamente do assunto”, completou.

Projeto Itaú 2030

Outro tema abordado no encontro foi o Projeto Itaú 2030. A direção do banco apresentou mudanças que foram feitas no projeto que está sendo implementado aos poucos em algumas agências do banco. Ele prevê mudanças na estrutura de cargos, com a unificação das diretorias Comercial e Operacional. O projeto foi apresentado em dezembro pelo banco, pela primeira vez, e começou a ser implantado em janeiro, segundo o Itaú, a princípio em apenas 20 unidades. O banco anunciou na reunião de terça-feira que pretende expandir o projeto para 9 estados, na base da Fetrani/NE (Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro do Nordeste), no Espírito Santo e em São Paulo.

“Algumas das alterações anunciadas foram baseadas nos nossos apontamentos durante este período inicial. É muito importante que o banco respeite nossa mesa de negociações a pontos de nos ouvir no momento da implantação e conseguir fazer as alterações necessárias, mesmo com o projeto em andamento”, declarou Valeska Pincovai, dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo e integrante da COE Itaú.

A Comissão cobrou ainda o número de envolvidos e data do início da nova fase do projeto.

Emprego

O movimento sindical cobrou o motivo de tantas demissões nos últimos meses. O banco dez uma apresentação de que contratou mais do que demitiu, nos últimos dois anos. Entretanto, os representantes dos trabalhadores lembraram que as demissões são feitas nas agências e nos departamentos e as contratações nas áreas de tecnologia do banco. A COE reivindicou a volta imediata da central de realocação.

“Nós queremos o fim das demissões. Para esse acompanhamento, precisamos de transparência do banco, pois os Sindicatos não são mais responsáveis pelas homologações dos bancários demitidos”, lamentou Maria Izabel, diretora do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro e representante da COE.

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE