Dia 16/06 tem nova edição da Feira da Resistência no Canto do MARL

O Feirão da Resistência reúne produtores agrícolas do MST e artistas de rua de Londrina O Feirão da Resistência reúne produtores agrícolas do MST e artistas de rua de Londrina
terça-feira, 12/06/2018

No próximo sábado (16/06) será realizada no Canto do MARL (Movimento dos Artistas de Rua de Londrina) mais uma edição do Feirão da Resistência, das 9h00 às 17h00.

O Canto do MARL está localizado na Avenida Duque de Caxias, 3.241, logo após o cruzamento com a Avenida Celso Garcia Cid, no Centro de Londrina.

O evento é uma iniciativa conjunta do MARL com o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra), que ocorre em todos os segundos sábados do mês e tem por objetivo construir um espaço de convivência, com venda de produtos oriundos da reforma agrária, bem como promover atividades culturais.

Segundo Ceres Luisa Antunes Hadich, da direção nacional do MST, os produtores que vivem em áreas de reforma agrária (acampamentos e assentamentos) na região de Londrina participam do Feirão em barracas coletivas.

“Nas áreas, as famílias que produzem os itens vendidos se organizam pra definir quem participará representando o grupo e como se efetivará o deslocamento. Há uma variedade grande de produtos em cada banca, que vão desde os produtos in natura (frutas, verduras, sementes, legumes), a panificados, além de polpas e artesanato”, explica.

Durante o evento também são comercializados pratos típicos da culinária camponesa e produtos das agroindústrias da reforma agrária para serem consumidos na hora, em pequenas refeições, como, por exemplo, pizza, salgados, compotas e conservas.

Ceres conta que já existe um público fiel ao Feirão da Resistência que participa comprando os produtos do MST e assistindo as atividades artísticas, gerando uma interação entre os visitantes e produtores.

. “O nosso desafio é envolver mais pessoas, especialmente da região do entorno do Canto MARL, para que o Feirão possa alcançar atrair um público maior e assim melhorar a capacidade de vendas dos produtos”, afirma.

Ainda de acordo com a diretora do MST, os produtores realizam outras feiras em locais próximos aos acampamentos e assentamentos do MST. Também há experiências com vendas de sacolas agroecológicas e uma parte significativa da produção é destinada ao PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar), que abastece escolas públicas de Londrina e Região.

Por Armando Duarte Jr.

COMPARTILHE