CONTRA O ARROCHO SALARIAL

Servidores da Educação do Paraná deflagram greve

Greve dos servidores do Paraná pressionar governo Ratinho Jr. a cumprir promessa de campanha e reajustar salários Greve dos servidores do Paraná pressionar governo Ratinho Jr. a cumprir promessa de campanha e reajustar salários
terça-feira, 25/06/2019

Há quatro anos sem reajuste salarial, professores e servidores da rede estadual de ensino do Paraná deflagraram greve por tempo indeterminado na terça-feira (25), como forma de pressionar o governo Ratinho Jr. (PSD) a romper a política de arrocho.

A paralisação das atividades é uma resposta ao governador que, durante a campanha eleitoral de 2018, prometeu providenciar a reposição salarial dos servidores como um dos primeiros atos do seu governo.

Após uma série de reuniões ente o FES (Fórum das Entidades Sindicais), que reúne Sindicatos de vários segmentos do serviço público estadual, Ratinho Jr. não apresentou nenhuma proposta a respeito da pauta de reivindicações.

De acordo com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), a defasagem salarial provocada durante a gestão do ex-governador Beto Richa (PSDB), passa de 17%, o que significa a perda de dois salários pelos servidores em um ano.

“Os educadores estão sofrendo na pele os efeitos de quatro anos de congelamento dos salários e também os ataques e perseguições da Secretaria da Educação. Temos um governo que se diz novo, porém o clima nas escolas piorou. Com isso, mais gente deve aderir ao movimento nos próximos dias”, afirmou Hermes Leão, presidente da APP-Sindicato.

Cabe lembrar que Ratinho Jr. foi secretário do governo Beto Richa, que deixou o cargo em meados de 2018 para concorrer a uma vaga de senador pelo Paraná nas eleições gerais, discursando que havia deixado as contas do Estado equilibradas.

Fonte: APP Sindicato

COMPARTILHE