PRIVILÉGIO AOS BANCOS

Governo tenta votar versão piorada da ‘reforma’ da Previdência nesta quinta

A sessão da Comissão Especial entrou pela madrugada, mas não conseguiu aprovar a terceira versão do relatório - Foto: Pablo Valadares/Agência Câmara A sessão da Comissão Especial entrou pela madrugada, mas não conseguiu aprovar a terceira versão do relatório - Foto: Pablo Valadares/Agência Câmara
quinta-feira, 04/07/2019

Parlamentares da base do governo Jair Bolsonaro (PSL) manobraram na noite de quarta-feira (3/07) para acelerar a votação do relatório final da “reforma” da Previdência. O presidente da Comissão Especial que analisa a proposta, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), convocou sessão que se estendeu até a madrugada e o relator, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), apresentou uma terceira versão, com mudanças que preocupam os parlamentares de oposição.

Em seu novo texto, Moreira reduziu de 20% para 15%, a alíquota da CCLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), a ser aplicada aos bancos. Ele também excluiu do texto a possibilidade de estados e municípios cobrarem contribuições extraordinárias de seus servidores. Diferentemente da proposta anterior, o relator também decidiu manter na Constituição a idade mínima para aposentadoria de servidores da União, de 65 anos para o homem e 62 anos para a mulher – esses patamares são, hoje, de 60 e 55 anos.

“Se alguém averbou período de trabalho rural e se aposentou como servidor público, com o novo parecer, pode-se retroagir e acabar com aposentadorias já garantidas”, criticou o deputado Henrique Fontana (PT-RS). Até mesmo representantes da base do governo alertaram que a mudança acabaria com a aposentadoria por tempo de serviço para os servidores.

Numa das mudanças que mais preocupou os parlamentares, o novo texto incluiu critério de vulnerabilidade de 25% do salário mínimo de renda familiar per capita para o acesso ao BPC (Benefício de Prestação Continuada). Na versão anterior, o relator tinha desistido de propor alterações no pagamento do BCP. Para a líder da minoria, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), essa modificação permite que os critérios sejam alterados através de lei ordinária. “Estamos dando um cheque em branco sobre os critérios de alcance do BPC.”

A Comissão só começou a debater a nova complementação de voto de Samuel Moreira por volta das 20 horas de ontem (3). Antes disso, ao longo do dia, houve negociações para tentar alterar pontos do texto, principalmente devido a pressões de policiais civis e federais, que acusavam Bolsonaro de traição por terem sido incluídos na reforma, ao contrário do ocorrido com os militares das forças armadas. O presidente chegou a negociar a redução da idade mínima para 53 anos para homens e 52 para mulheres, mas o texto final apresentado mantém em 55 anos para ambos os sexos.

Com todas as mudanças apresentadas, o governo tentou votar a aprovação do relatório ainda durante a madrugada. A oposição obstruiu a sessão, apresentando requerimentos de adiamento, que foram seguidamente derrubados pelos parlamentares da base aliada ao governo.

Após mais de 8 horas de discussão, os trabalhos da Comissão Especial foram suspensos, com a convocação de nova sessão para a manhã desta quinta-feira (4), quando o governo pretende novamente ver aprovada a última versão do relatório.

Fonte: Rede Brasil Atual

COMPARTILHE