Falta de funcionários precariza atendimento no Santander

Entre 2017 e 2018 duas agências do Santander em Londrina foram lacradas pelo Procon devido à precariedade no atendimento - Foto: Bonde Entre 2017 e 2018 duas agências do Santander em Londrina foram lacradas pelo Procon devido à precariedade no atendimento - Foto: Bonde
sexta-feira, 11/01/2019

Mesmo após ter duas de suas agências de Londrina lacradas no ano passado por atendimento inadequado, o Santander ainda não resolver o problema e aposta na sorte para não ser autuado novamente pelo Procon.

Nos últimos dias, em função dos feriados do final de ano e as demandas do início do mês, as filas nas agências estão enormes, gerando longo tempo de espera para clientes e usuários e muitas reclamações.

Segundo Josué dos Santos, diretor do Sindicato de Londrina, nos últimos anos o banco cortou muitos bancários e bancárias e a reposição das vagas não foi suficiente para repor as vagas que ficaram em aberto, causando piora não só no atendimento, mas também nas condições de trabalho.

“O banco aposta nas novas tecnologias para espantar os clientes das agências e com isso já está planejando mudanças na estrutura das unidades para manter apenas um gerente geral, outro de atendimento e assistentes para dar contra de todos os serviços. O que já está ruim vai ficar pior”, avalia.

Como tem apenas dois ou três caixas convencionais nas agências, a espera é longa, fazendo com que as pessoas procurem os terminais eletrônicos, onde fica só um estagiário para auxiliar nas operações, afirma Josué, dizendo que nos dias de maior pico no movimento a situação vira um caos.

“Apesar de obrigar os clientes a fazerem suas próprias operações bancárias, geralmente nem todos os equipamentos estão em funcionamento e muitas pessoas não conseguem fazer nada sozinhas, causando inúmeras reclamações”, relata o diretor do Sindicato de Londrina, não descartando novas interdições das agências do Santander pelo Procon para coibir esse desrespeito à legislação e à população que utiliza seus serviços.

Por Armando Duarte Jr.

COMPARTILHE