Tome cuidado para evitar o adoecimento mental

Dados do Ministério do Trabalho revelam que transtornos psicológicos são alguns dos fatores que mais afastam profissionais de suas atividades Dados do Ministério do Trabalho revelam que transtornos psicológicos são alguns dos fatores que mais afastam profissionais de suas atividades
segunda-feira, 13/08/2018

A organização do trabalho nos bancos provoca um grande número de adoecimentos, principalmente nos últimos anos com a redução drástica de pessoal e aumento das pressões pelo cumprimento de metas cada vez maiores. Isso faz com que os bancários e bancárias sofram uma tortura diária em seu ambiente de trabalho sem que haja espaço para discutir formas de reduzir esse estresse e, consequentemente, evitar danos à saúde mental.

Por conta disso, muitos apresentam quadros de depressão, transtorno de ansiedade, esquizofrenia e outras doenças que levam ao afastamento do trabalho.

Segundo a secretária de Saúde do Sindicato de Apucarana, Zoraide Sanches, dados do Ministério do Trabalho e Emprego revelam que os transtornos psicológicos são alguns dos fatores que mais afastam profissionais de suas atividades. “As entidades sindicais tentam há anos discutir forma de reduzir o número de adoecimentos na categoria com os bancos, mas existe muita resistência em relação a isso.

Como prevenir?

Defendemos mudanças na organização do trabalho que possam contribuir para diminuir o estresse, como, por exemplo, pausas, ginástica laboral, momentos de descontração entre a equipe e outras atividades que possam inverter o triste cenário que temos atualmente neste setor”, aponta.

Além disso, Zoraide afirma que o bancário e a bancária precisam ficar atentos aos sinais que o corpo apresenta quando algo não vai bem com a saúde. “Quando surgirem os primeiros sintomas é muito importante dar a atenção às pequenas ações do dia a dia, como manter uma boa alimentação, observar os intervalos para descanso, praticar atividades físicas e de lazer após o trabalho e, caso seja necessário, procurar ajuda de um médico”, explica.

Por Armando Duarte Jr.

COMPARTILHE