Reunião da Comissão Bipartite com a Fenaban termina sem avanços

Representantes da categoria insistem em avanços sobre as condições de retorno ao trabalho dos bancários que se afastam para tratamento de saúde Representantes da categoria insistem em avanços sobre as condições de retorno ao trabalho dos bancários que se afastam para tratamento de saúde
quinta-feira, 24/05/2018

A rodada de negociação da Comissão Bipartite de Saúde do Trabalhador, realizada no na quarta-feira (23/05), em São Paulo, por representantes da Contraf-CUT e Fenaban, terminou sem avanços. 
Na tentativa de retomar as negociações, a Contraf-CUT cobrou a continuidade dos debates, realizados na última reunião, sobre a prevenção de adoecimentos e acidentes de trabalho, a suspensão das demissões dos bancários retornados do INSS e, também, sobre as clausulas 45 – que aborda a o retorno ao trabalho – e 57 – que propõe a criação de um programa de acompanhamento das relações de trabalho.

Para o secretário da Saúde da Contraf-CUT, Mauro Salles, há uma pressão dos bancos sob os bancários e bancárias doentes.

“Há uma política de discriminação nos bancos contra os trabalhadores adoecidos, não acatando laudos e exames médicos, buscando descaracterizar adoecimento para poder demitir”, disse.

A cobrança do movimento sindical gerou impasse durante a reunião. A Fenaban se recusou a avançar na negociação, porém apresentou dificuldade para se contrapor aos argumentos da Comissão Bipartite de Saúde do Trabalhador.

“A Fenaban não deu resposta às nossas demandas, portanto, vamos continuar mobilizados na luta em todas as esferas e apostando no processo negocial”, disse o secretário de Saúde da Contraf-CUT.

De acordo com Mauro, o tema será prioridade na Campanha Nacional dos Bancários 2018.

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE