LONDRINA

Coletivo de Sindicatos protesta memória das vítimas de Covid-19

O protesto em memória às vítimas da Covid-19 em Londrina cobrou medidas da Prefeitura para conter a pandemia O protesto em memória às vítimas da Covid-19 em Londrina cobrou medidas da Prefeitura para conter a pandemia
quinta-feira, 27/08/2020

Durante o protesto, o Coletivo de Sindicatos colocou no gramado em frente à Prefeitura 158 cruzes para lembrar das mortes já registradas na cidade

Dirigentes das entidades que integram o Coletivo de Sindicatos de Londrina realizaram na tarde de quarta-feira (26/08), um protesto na Praça dos Três Poderes, localizada em frente à Prefeitura, para lembrar as mortes ocorridas na cidade desde o início da pandemia do novo coronavírus.

No gramado foram colocadas 158 cruzes, que é o número de vítimas fatais da Covid-19 registrados até a data do protesto. Os sindicalistas ficaram a maior parte do tempo em silêncio, que era interrompido por uma contagem de 1 até 158, ressaltando o elevado número de pessoas da cidade que perderam a vida por essa doença.

Laurito Porto de Lira Filho, diretor do Sindicato de Londrina e representante da entidade no Coletivo de Sindicatos, afirma que a manifestação também teve o objetivo de prestar solidariedade às famílias dos mortos e cobrar ações mais eficazes do Poder Público no combate à pandemia.

“O Coletivo protocolou documentos junto ao prefeito Marcelo Belinati (PP), em reunião realizada no dia 6 de agosto e ele se comprometeu em apresentar retorno em uma semana sobre as demandas levantadas pelos Sindicatos. Infelizmente, até agora nenhuma das nossas solicitações para garantir maior proteção à Classe Trabalhadora foram atendidas pelo Poder Público, ao mesmo tempo em que estão sendo afrouxadas medidas de isolamento social, mantendo o número de infecções e mortes em patamares elevados”, critica.

De acordo com Laurito, só na categoria bancária o número de trabalhadores e trabalhadoras infectados pelo novo coronavírus subiu de 5 casos, registrados no início de julho, para 23 em meados de agosto.

“Precisamos de um Decreto Municipal que estabeleça medidas mais rigorosas para a contenção da Covid-19 nos bancos e em outros setores da economia onde há grande concentração de pessoas. A continuar desse jeito, não vamos conseguir conter essa pandemia nunca”, avalia.

Por Armando Duarte Jr.
Fonte: Lume – Rede de Jornalistas

COMPARTILHE