Skip to content Skip to footer

Dirigentes da CUT são eleitos para o Senado, Câmara Federal e Assembleias estaduais

Cinco sindicalistas da CUT foram eleitos e cinco foram reeleitos para atuar, a partir de 2023, em defesa da Classe Trabalhadora no Congresso Nacional e nas Assembleias Legislativas dos estados. Além disso, outros nove tiveram votações expressivas e foram eleitos suplentes, políticos que são chamados a substituir os titulares, em caso de necessidade, como caso algum deputado seja convidado a ser secretário de estado. Eles são chamados de acordo com a ordem de classificação.

Em Pernambuco, Teresa Leitão, que foi presidenta do Sintepe (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco), foi eleita senadora. Ela é a primeira mulher da história a ocupar esse cargo pelo estado.

“Nossos representantes farão parte das bancadas alinhadas com os trabalhadores. Eles é que defenderão nossas pautas no Congresso Nacional, nas Assembleias estaduais, espaços que fazem parte da organização da Classe Trabalhadora”, afirma o secretário de Administração e Finanças da CUT, Ariovaldo de Camargo.

Quem foi eleito

No Ceará, o ex-presidente da CUT no estado Assis Diniz foi eleito deputado estadual. Historiador, bacharel em Direito e especializado em Economia do Trabalho, foi também presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Estado do Ceará e presidente da Federação dos Metalúrgicos do Norte/Nordeste.

No Distrito Federal, a CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), elegeu o professor do ensino médio Gabriel Magno Pereira Cruz (PT) para deputado distrital. Gabriel é mineiro radicado em Brasília desde 1994, e tem uma conhecida trajetória de liderança no DCE (Diretório Central Estudantil da UnB), no PT e no SINPRO/DF (Sindicato dos Professores do Distrito Federal). Servidor público da Secretaria de Educação do DF, é professor de Física.  Em Goiás, Bia Lima (PT), presidenta da CUT estadual também foi eleita deputada estadual com 24,3 mil votos. Servidora Pública Estadual, Bia de Lima, natural de Serranópolis, é pedagoga.

Também é de Goiás, o sindicalista Mauro Rubem de Menezes Jonas, ex-presidente da CUT-GO, que foi diretor do Sindsaúde-GO.

Em São Paulo, o vice-presidente licenciado da CUT-SP, Luiz Claudio Marcolino (PT), foi eleito deputado estadual. Marcolino, que é economista e foi presidente Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, volta à Assembleia Legislativa onde esteve na legislatura iniciada em 2010.

Também de São Paulo, o ex-presidente da CUT Nacional e ex-prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, foi eleito deputado federal. Marinho também foi ministro do Trabalho e da Previdência no governo do ex-presidente Lula.

Quem foi reeleito

Moises Braz, do Ceará, importante liderança sindical rural, foi reeleito deputado estadual. Ele foi trabalhador rural e presidiu a Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Ceará e o Sindicato de Trabalhadores Rurais do Ceará.

Em Minas Gerais, a ex-presidente da CUT Minas, Beatriz Cerqueira (PT), se reelegeu deputada estadual. Bia, que também foi coordenadora-geral do Sind-UTE/MG (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais), é professora da educação básica da rede pública e exerceu o magistério por 22 anos. Formou-se no Instituto de Educação de Minas Gerais. Também é formada em Direito pela PUC Minas/MG (Pontifícia Universidade de Minas Gerais).

Em Pernambuco, o ex-presidente da CUT-PE, Carlos Veras se reelegeu deputado federal. Veras começou a sua trajetória como presidente da Associação Rural de Poço de Dantas com apenas 18 anos. Chegou à presidência da CUT Pernambuco em 2012. Em 2018 se candidatou a deputado federal e foi eleito.

Em São Paulo, foi reeleita a também professora Maria Isabel Noronha (Bebel, do PT), presidenta do Apeoesp (Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Oficial do Estado de São Paulo).

Ainda em São Paulo, foi reeleito o metalúrgico do ABC, Teonílio Monteiro da Costa, o Barba, ex-trabalhador da Volkswagen e da Ford, ex-integrante da FEM-CUT (Federação Estadual dos Metalúrgicos) e ex-representante no CSE (Comitê Sindical de Empresa).

Quem foi eleito suplente

A secretária-geral da CUT Nacional, a trabalhadora rural Carmen Foro, foi eleita suplente da bancada do PT no Pará para atuar na Câmara dos Deputados, caso necessário.

Candidatos a deputado estadual, em Alagoas, a secretaria de Políticas Sociais e Direitos Humanos, Elida Rachel Miranda de Souza, e Luiz Gomes da Rocha, Secretário Executivo, ambos da CUT estadual, se elegeram suplentes pela bancada do PT para a Assembleia Legislativa.

Na Bahia, o Diretor-Executivo da CUT-BA, Valdemir Medeiros da Silva, foi eleito suplente pela bancada do PT à Assembleia Legislativa.

No Mato Grosso, o da CUT estadual, Henrique Lopes do Nascimento, será suplente pela bancada do PT.

Em Santa Catarina, foram eleitos três suplentes para deputado estadual: Dirceu Dresch, ex-coordenador geral da Fetraf-Sul (Federação dos Trabalhadores da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar na Região Sul); Rodolfo de Ramos, presidente do Sindicato dos Metalúrgico de Joinville, Rodolfo de Ramos; e Rodrigo Preis, da direção do Sintraf (Sindicato de Trabalhadores na Agricultura Familiar) de Alfredo Vagner.

Em São Paulo, Inez Paz (Psol) foi eleita suplente deputado estadual. Inês é professora e dirigente da Apeoesp.

No Tocantins, o presidente da CUT no estado, José Roque Rodrigues Santiago (PT), foi eleito suplente pela bancada do partido.

Fonte CUT Nacional, com edição de Marize Muniz

Deixe um comentário

Sign Up to Our Newsletter

Be the first to know the latest updates

[yikes-mailchimp form="1"]